O homem sonha e a obra até nasce…

Qual a tua visão ? Pode uma simples pergunta ser assim tão importante? Acredito que muitos de nós procuramos um propósito naquilo que fazemos ou naquilo que sonhamos fazer. Então, porque parece tão difícil estabelecer uma orientação, um caminho que permita de forma clarividente permitir ter a confiança, a competência para alcançar a almejada meta? Diria que ela se vai manifestando ao longo do caminho, se a ele estivermos atentos, se ao “caminho” ousarmos ouvir e falar com ele.

O homem sonha, a obra até nasce, mas não imediatamente.

A obra nasce fruto de trabalho de inspiração, de expiração de muita desorientação, de muita descoberta e também, felizmente, de muito prazer. Recuso acreditar que o sucesso só pode manifestar-se através de trabalho árduo, daquele que para além de fazer doer as mãos, faz doer a alma e faz sofrer a mente. A este nível, talvez seja das pessoas que acredita na felicidade, na satisfação pelo processos, que são as nossas paixões, aquilo que nos faz sentir motivados, inspirados, apaixonados e agarrados à vida que nos dá o ímpeto para seguir em frente, face à dificuldade, ao mesmo tempo que somos capazes de o fazer de sorriso no rosto.

Hoje, tenho uma noção mais clara que vive em mim a vontade, a visão de tornar a comunicação mais humana, à qual damos mais atenção porque é ingrediente fundamental para uma vida pessoal e profissional melhor, mais viva, mais inteligente, mais sagaz e mais feliz.

Esse desígnio ou propósito dá sentido às coisas que faço, dá-lhe uma prioridade, uma direção. Afinal o mindset, dá confiança e faz-me ver melhor a enorme montanha que tenho a minha frente, mesmo que saiba que provavelmente é em mim (como em todas as outras pessoas) que residem os maiores obstáculos e distrações.

“Somos todos humanos” (esta frase é tão boa que desculpa quase tudo).

Tudo isto para vos dizer o quê? Foi através de experiências que cheguei aqui. A minha viagem pelo mundo, clubes e competições de public speaking ensinou-me muito, sobre comunicação, mas em particular sobre mim. No início sentia (e ainda sinto) sempre que crio ou improviso a chama da comunicação, a paixão e o gosto que me dá. 

Sinto também de forma muito única o prazer de agradar a plateia (demorei mais de trinta anos a deixar de ter vergonha de sentir isto). Gosto de sentir a audiência de olhos abertos, atenta, regalada. Seja num discurso, numa formação, numa aula. Gosto desta interação. Sem vergonha, sem medos. Porém, em algumas performances que para mim eram profundamente extasiantes, entusiasmantes, comecei a perceber que para algumas pessoas eu seria uma “espécie de alien” entusiasmado, vivo, mas talvez um pouco enérgico ou bruto até.

Esta pouca empatia criada talvez junto de algumas pessoas mais sensíveis, mais ansiosas face à prática de comunicar em público, despertou-me o interesse. Porquê? Assim, perguntei a mim mesmo, porque é que algumas pessoas sentiam quase um certo “medo” de falar comigo ou de dar-me algum feedback. Sim, acontecia e vai quase sempre acontecer.

“Lembrem-se que não somos pizza para agradar a toda a gente”

O motivo parece-me até muito simples. Em primeiro lugar, eu fazia discursos, treinava e praticava por mim, pelo minha vontade de aprender, pelo meu prazer, pelo meu Ego que queria muito mostrar o tanto que estava a evoluir. A eterna procura por um reconhecimento. Algo não estava afinado, polido.

Nesse percurso pelos clubes de Toastmasters onde se aprende muito, em especial com as pessoas que se encontram, são muito valorizados aspetos relevantes de um discurso como a sua organização, a variedade vocal, a linguagem corporal e a forma como exploramos o espaço à nossa disposição. Qualquer pessoa, independentemente do nível evolui muito em 3, 6 meses…(Eu andei por lá 6 anos, e bem. Quando a pandemia passar logo vejo…) .

Um dia, pediram-me para participar num evento, e partilhar a minha experiência em competições internacionais de public speaking. Em vez de me preocupar com a linguagem corporal, a variedade vocal…apenas pedi uma cadeira!?

Em palco para talvez 60 ou 70 pessoas, falei para as pessoas sentado, como se estivesse à mesa a partilhar uma conversa e um copo de vinho. Falei da fragilidade, falei de que ainda hoje fico nervoso e ansioso, que tenho inseguranças e que dia a dia as enfrento, sublinhei que sou humano e que foi o treino, a vontade, a paixão e a procura por um desígnio que me levaram até ali. Foi simples, foi humano, foi tão fácil e tão bom. Foi eterno.

Nesse dia, aquelas pessoas que em outras circunstância se afastariam de mim, falaram comigo e partilharam, falaram da sua ansiedade, do nervosismo e da imensa vontade de melhorar.

Ali, naquele momento, sinto que acrescentei uma das mais importantes peças do caminho – é essa a comunicação que quero, aquela que me aproxima de outros seres humanos.

A minha visão, tal como a vossa, constrói-se diariamente e felizmente, por obra do acaso também podemos alterar o rumo e mudar de ideias. Olhem o horizonte, definam para onde vão, tenham uma direção, assumam a vossa vontade e tenham prazer pelo caminho. Com uma visão, a comunicação nunca será um senão.

O professor que virou podcaster

Ia começar por dizer que chegou a casa, mas não chegou a casa. Ele já estava em casa. Faltavam dez minutos para começar a aula, ligou a máquina de café, olhou pela janela e respirou fundo…São mais 3 horas. Preparou o copo de água, foi ao computador, ligou o Teams ou Zoom (nesta altura já tanto faz…achou ele) e escreveu “Boa tarde…a aula segue dentro de momentos”. (Ainda tenho uns minutos. Tirou o café, saboreou o travo amargo do café sem açúcar, sentiu aquele “kick” de ânimo a subir)

Lights ON. Ligou as luzes, o micro (a vaidade faz algumas pessoas investir um bocadinho na tecnologia e num bom set). Só falta mesmo a estante com os livros atrás. Pegou na câmara HD, porque a do portátil é do século passado e disse “boa tarde”. Sorrindo para a luzinha azul a piscar.

Aguardou, os alunos foram entrando na pseudo sala. E ele diz “vá lá, agora liguem as câmaras”. Silêncio. Como sabem numa sessão online é de bom tom ter o micro no off, para não haver ruídos, feedback…entre outros episódios. “está alguém desse lado?”. “Sim” – ouve-se, diz uma alma do outro lado do ciberespaço.

A sensação de vazio apodera-se (será que vou ter suplicar novamente, de novo…). “Então, não ligam as câmaras porquê”? – “o meu computador é de secretária e não tem webcam”. – “E o smartphone não tem a app”?) Segue-se o ensurdecedor silêncio.

Depois, um manifestar passivo de insatisfação que não adianta nada. No seu interior, surge como um invasor a ideia muito clara que do outro lado está alguém a pensar “podes protestar à vontade, mas não me podes obrigar. Vou continuar a jogar PS4”. Resignação. 20 pessoas na sala, estava a ver duas. “Podia ser pior, pensou…”

Passado um pouco, “João está aí? João? (silêncio)… Passado um instante, “professor, desculpe…estava na cama e adormeci”.  (Na sua mente, uma facada, eram estacas, um punhal pelas costas….).

A partir daí vagueou como um zombie pela matéria do dia, como podcaster sem audiência e a pensar como se poderia transformar num Nuno Markl ou Pedro Ribeiro das emissões radiofónicas na qual se tinham transformado as suas aulas.

“Quinta-feira vai ser diferente pensou”.

O dia chegou, finalmente entrava pelos corredores vazios da instituição em que lecionava, era a primeira aula presencial em 6 meses. Na sala entraram duas pessoas, as mesmas pessoas que tinha visto na câmara. Ligou a plataforma (sim, havia a permissão para ficarem em casa). Lá estavam, os outros. “Mas, vão assistir digitalmente? – perguntou”. – “Sim, ó professor, dá muito trabalho ir até aí, fica longe…” Então e as câmaras?!”

Silêncio.

PS: Os professores são seres humanos.

Ao Chega diremos Basta!

Não. O Chega não vai ser o maior partido português em 2027, nem em 2049, nem o André Ventura é Nostradamus, nem eu vou ganhar uma Bola de Ouro. Não. Ponto. Não neste mundo e não no nosso Portugal. Antes que uma mentira, ou um devaneio, seja repetido demasiadas vezes, é importante por os pés no chão e não distorcer a realidade.

Já vi pelas redes sociais, medo, revolta, receio e indignação com resultado do Chega. Eu assumo, mais do que indignado estou triste, porque no séc. XXI nós já devíamos saber mais. Mas, não estou assustado. Não, com André Ventura. Assusta-me mais a onda que se cria e “hype” (ou exagero) que traz notoriedade dá mais voz a estes movimentos.

Será o Chega extrema direita ou será mais uma direita “oportunista”? Um fogo de luzes orientado para dizer o que mais interessa a cada momento? Será que vamos transformar o país num relvado e quatro linhas, em que André Ventura será chamado a intervir e dar opinião? Não acredito. A política é bem mais complexa do que um jogo ao fim-de-semana…

Mensagem simples e direta visível nos suportes de comunicação do Chega

Já vi pessoas a profetizarem que agora vai ser sempre a crescer – eu não acredito, pois não vejo em André Ventura um líder, alguém capaz de inspirar multidões, alguém preparado para disseminar o ódio pelo ódio em detrimento do proveito próprio. Felizmente. Vejo sim alguém que tirou partido da conjuntura polémica que resulta dos diversos casos que pululam na comunicação social – o nepotismo entre a “família” socialista, o inusitado caso de Tancos, o caso Marquês, a corrupção, o sentimento de insegurança – para aproveitar o seu espaço mediático para se afirmar (qual justiceiro de “pulseira” e espada) e dizer o que um certo “povo” quer ouvir: “chega”, “basta”… E é tão fácil dizer isto, quando se sabe que não se vai governar, quando se sabe que se estará do lado de fora. E para tantas pessoas é tão fácil ir na onda quando se está cansado de lutar… É tão fácil cavalgar essa ideia quando a culpa é sempre dos outros, quando se esquece que juntos podemos ser um pouco mais fortes.

Voltem atrás no tempo, façam esse exercício. Marinho e Pinto e o seu PDR  bateram à porta da injustiça e da corrupção e conseguiram um deputado europeu, em 2014.

O “justiceiro” é um arquétipo que todo nós sabemos identificar e esse espaço estava “vazio” desde que Marinho e Pinto provou do seu próprio veneno. Teria o PDR este resultado se Marinho e Pinto ainda tivesse lugar cativo nos programas da manhã? Em 2015, o PDR teve 60.988 votos, agora teve 9 mil. O Chega chegou aos 66 mil votos. Desejo-lhe o mesmo fim. 

Interessa-me perguntar “como chegamos aqui?”…Como quis deixar claro, o populismo não é novo. Aliás, se Hernâni Carvalho criasse um partido, provavelmente conseguiria um lugar – a mensagem é simples, clara e funciona.  

Para mim, é da responsabilidade do anterior Governo, ora por incompetência, desleixo e/ou irresponsabilidade, ter dado argumentos para que este tipo de discurso encontrasse mais espaço. É da responsabilidade deste e anteriores Governos não sermos capazes de enunciar uma estratégia para o país, preferindo negociar ano a ano, orçamento a orçamento, de medida a medida ou de gerigonça em geringonça.

Mas, também da responsabilidade dos partidos de direita, como o CDS, não terem uma comunicação coerente, precisa capaz de encontrar um lugar na mente e no coração das pessoas. Não posso deixar de recordar que Assunção Cristas teve um resultado nas Autárquicas de Lisboa que a fez acreditar que poderia chegar ao poder, ao mesmo tempo que camuflou o verdadeiro estado do partido a nível nacional. Ontem, foi para casa às nove da noite.

É da responsabilidade de Rui Rio ter sido arrogante e pouco competente durante 2 anos de deserto, numa oposição estéril. É da responsabilidade do PSD ter andado mais preocupado com as lutas internas do que com o futuro do país. E foi de lá que saiu André Ventura, foi no PSD, no tempo de Passos Coelho, que o colocaram à frente de uma lista para a Câmara Municipal de Loures. Ele fez o seu caminho e aproveitou e, segundo o que que diz a Visão também aproveitou para plagiar o programa de Manuel Monteiro. Palavras para quê? Se este fosse um movimento ideologicamente forte, teria mais espaço e mais orgulho nas suas próprias ideias. Para mim a sua agenda é outra e é bem mais pessoal. 

O passar do tempo, ao longo dos próximos 4 anos, trará novidades:  acredito que o Livre (que grande coragem) e a Iniciativa Liberal (que grande campanha, à qual só faltou um rosto) têm pernas para andar e seguirem o exemplo do PAN – crescerem e ganharem o seu espaço. Quanto ao Chega a seu tempo diremos Basta, pois o tempo mostrará o que este movimento tem para dar: absolutamente nada. 

A figura de parvo e a privacidade

Vamos ser sinceros, há momentos que fazem de nós parvos e isso acontece ora por inocência, ora por desleixo ou simplesmente porque naquele momento, por algum motivo, não queremos saber. É um risco. Agora, o problema (emocional, é claro..porque ele já lá estava) começa quando conscientemente sentimos que estão a fazer de nós parvos… Tudo começou quando decidi aceder ao Maisfutebol para saber o resultado do Brondby – SC Braga. O que é que isto tem a ver com privacidade? Já vão perceber…

Entretanto, atirem um número: quantos sites podem estar a monitorizar a vossa presença online num site como o maisfutebol.iol.pt ?

Primeiro vamos ao contexto: talvez tenha sido por recentemente ter visto o documentário “The Great Hack”, a verdade é que ando mais criterioso com o clicar no botão de aceitar tudo, no que respeita a “cookies” que os sites disponibilizam para “poupar o nosso tempo”. Diria que em muitos sites o processo é simples, em 4 ou 5 cliques a coisa fica resolvida. Como é o caso do periódico espanhol http://www.marca.com .

Como podem ver em baixo o processo é simples, se eu quiser discordar é fácil. Na verdade, as empresas estão a fazer o seu papel e quanto a isso nada contra. Estou a navegar e estou ciente de que podem estar a capturar os meus dados se eu assim o permitir.

O que me tirou do sério, foi eu ter cometido o “erro” de querer fazer a triagem no http://www.maisfutebol.iol.pt que decidi ver o resultado do Brondby-SC Braga. (na verdade nem cheguei lá…)

Em primeiro lugar há um botão para aceitar tudo. Perfeito. É o que eles querem. Então e o botão para rejeitar, anular tudo? Onde está? Caramba, onde está? (e é aqui que a minha mente começa a praguejar e a dizer palavrões) Pois, não há. E aí é que sinto que me estão a fazer passar por parvo. É aquilo a que podemos chamar de vencer o cliente pelo cansaço.

Dizem que “damos valor à sua privacidade”. Ai não não dão, senão não me faziam dar mais de 500 cliques (não é exagero…perdi a conta a partir dos 400 e tal), para conseguir anular cookies que dão acesso à minha localização geográfica, acesso a informações, correspondência offline de dados…enfim, seja lá o que é que algumas daquelas coisas significam. O panorama que encontrei é o que podem ver em baixo…páginas e páginas de infinitas empresas que monitorizam os nossos dados. O número de 500 referências assusta? Um bocadinho.

Uma lista infinita…
e lá fui eu de A a Z

Quanto ao maisfutebol e a quem gere este grupo, pelo menos uma coisa é certa: valorizam os meus dados, até porque não fica a dúvida de que aproveitam para os vender, infelizmente aquilo pelo qual não têm respeito, é pelo tempo do utilizador, nem pelo lado “democrático” de ter uma experiência séria no que concerne à opção de decisão na proteção dos seus dados.

E sim, dei-me ao trabalho de rejeitar tudo, porque se há algo que me revolve o estômago é a de conscientemente fazer figura de parvo.

Escrevo este post para sensibilizar e porque para mim a forma como se comunica diz muito sobre o emissor da mensagem e sobre a sua postura, valores e princípios. Neste caso bastava apenas mais um opção.

Ah, e o Braga ganhou 4-2.

A segunda-feira, a comunicação e o circo romano

Segunda-feira. Para muitos de nós esta é a palavra que marca o início da nossa jornada semanal (é seguramente a par da sexta-feira, por diferentes motivos, o dia da semana que merece mais posts nas redes sociais). Acabou o fim-de-semana e rapidamente enfrentamos o turbilhão emocional que resulta de todas as coisas que temos que fazer e por fazer. Por vezes, ainda é domingo e já estamos com um pé no início da semana. Em alguns casos, iniciamos com o forte entusiasmo, em outros começamos com uma imensa e intensa lista de to do’s que um mês inteiro parece impossível de englobar tudo aquilo que nos propomos a fazer.

Perante o inevitável e depois de um bom café (digo eu), temos duas formas de olhar para a semana, ou a agarramos como quem quer superar mais um desafio, ou nos deixamos levar pela dimensão da montanha e avançamos como quem carrega o mundo nas suas costas, sem conseguir vislumbrar o horizonte. Enfim, qualquer leitura de índole inspiracional (ao som dos dez mandamentos para o sucesso) falará da importância de manter o foco “no prémio”, outras páginas apontarão para o facto de cada tarefa realizada ter o potencial de abrir novas portas e de que quando nos entregamos apaixonadamente ao que fazemos o “universo conspira” a nosso favor e tudo flui. Bem, nem quero sequer pensar no ponto de vista da psicologia sobre o assunto.

Hoje a segunda-feira é a minha metáfora para falar de comunicação. Enfrentar uma nova audiência, apresentar um novo projeto, ir a uma entrevista de emprego, fazer um pitch investimento, estar finalmente a fazer a tão almejada TED Talk, fazem de nós uma espécie de gladiador em dia de circo romano.

Os leões vão estar lá e o público estará pronto para gritar “we will rock you” (tal como em qualquer segunda-feira).

 Paralisar não é solução, ter uma “branca” também não, mas o medo está lá…e quando olhamos: o ávido leão avança na nossa direção e entre o decidir fugir e enfrentar a criatura ainda não saímos do sítio – estamos a pensar nas nossas pernas que não mexem, na voz que não sai, a fazer o flashback da nossa vida e a pensar em tudo que devíamos ter feito e ainda não fizemos.

No momento em que o leão se prepara para fazer de cada um de nós a refeição do dia, eis que algo acontece…

…os nossos olhares cruzaram-se, olhos nos olhos. É esse o momento em que o leão hesita e é nesse momento que assumimos o controlo da entrevista, do pitch, da performance da comunicação.

Sugestão número 1: a audiência (o público do circo romano…) quer ser reconhecido, quer que a olhemos nos olhos e a enfrentemos. Não importa o grau de fragilidade, a quantidade de nervosismo – quem está do outro lado sentirá a nossa presença com um simples olhar frontal e sincero. Esse é o instante em que assumimos o controlo e em que a postura se torna mais vertical. (todas as tarefas de segunda-feira querem a nossa atenção…e da primeira passamos à segunda). Como é que isto se faz? Mais simples do que parece, antes de iniciarmos a nossa performance é relevante tirar alguns segundos para encarar a nossa audiência – olhos nos olhos (sem exageros). Se for num auditório é útil uma breve trocar de olhares com pessoas em diferentes pontos da sala, para garantir uma total amplitude.

Muito bem, dizem vocês, o leão hesitou mas continua lá e o público também. Ainda temos 2, 5, 10, 15 minutos de performance pela frente. Pois,  mas não é preciso ler o Tony Robbins ou um manual qualquer de boas práticas para saber que respirar é essencial à vida e que nenhum problema se resolveu por estarmos a pensar em nós – “show must go on”.

Em momentos de tensão perante uma audiência tendemos a desenvolver uma enorme consciência corporal e essa atenção tira-nos a concentração e presença – esquecemos a mensagem e quem está do outro lado. Imaginem o que seria estar a falar com alguém com um espelho à nossa frente – o efeito é exatamente o mesmo. Uma performance de comunicação não é sobre nós, é sobre a nossa verdade, a nossa mensagem e (a relevância para) a nossa audiência.

Sugestão número 2: depois de encarar a audiência e porque o leão hesitou temos finalmente tempo para respirar e descontrair o corpo, antes de avançar. Conseguimos finalmente obter a atenção de todos, merecemos o respeito da audiência – agora sim é o momento de avançar. Agora tudo aquilo que dissermos vai ter outra importância. Porém,

Outro aspeto importante sobre as segundas-feiras, é que toda as pessoas têm uma. Todos nós sabemos o que significa chegar a segunda-feira e entrar novamente na montanha-russa. Todos nós gostamos de uma história com a qual nos identificar, e na verdade, na arena, grande parte do público vai admirar a nossa capacidade de enfrentar o leão, de o encarar de frente, e quanto mais se identificarem mais irão apoiar (e por isso saber a nossa história, a nossa causa, conhecer a nossa paixão é primordial).

Naquele momento na arena somos 1 mais 50 mil a assustar o leão e a querer chegar ao final da semana e ter a merecida sexta-feira com o sentimento de conquista. Bem, para mim essa sensação chegará só no domingo, pois decidi enfrentar o leão e dar início ao meu primeiro workshop de comunicação.

Sugestão número 3: a audiência gosta sempre de uma história autêntica, recheada de emoção e de traços com as quais se possa identificar. Somos humanos. Essa energia que se cria, essa ligação é capaz de criar um grau de sintonia tal que as nossas fragilidades passam para segundo plano. O todo será seguramente maior que a soma das partes. Como qualquer segunda-feira que chega ao fim, se a entrega for autêntica e dermos o melhor, ganhamos o direito a mais um dia frente ao leão e o público vai certamente aplaudir.

A comunicação é como qualquer segunda-feira, tende a melhorar com a prática e com a nossa vontade de ir mais longe.

Se há algo de que estou certo é: se comunicarmos com maior competência temos uma maior probabilidade de ter segundas-feiras melhores.

Carta à Ministra da Administração Interna

Cara Constança Urbano de Sousa,

Escrevo-lhe com a máxima reverência, mas também com a máxima revolta de quem desespera com tudo o que vê acontecer ao seu redor. Escrevo-lhe na verdade porque tenho uma certa pena de si. Ter-lhe-ão oferecido um presente envenenado, um cargo que parece bom, mas que exige muito.  Exige liderança, exige força e exige carisma de quem diariamente tem que lidar com forças de autoridade, de segurança pública e proteção civil.

Sim, Constança foi a si que o Primeiro Ministro António Costa (ele que também esteve com essa pasta) entregou a proteção de Portugal. É duro escrever, deve ser duro ler. Mas, é a verdade, foi a si. E quanto a isso não há desculpas.

visao_marcos_borga.jpg
A postura e a linguagem corporal diminuída de Constança Urbano de Sousa (fotografia- Marcos Borga / Visão)

Além de tudo isto, para este cargo é preciso saber comunicar muito e bem, coisa para a qual a Constança não tem a mínima habilidade, nem os seus assessores a terão conseguido ensinar. Estarei disponível se precisar. Acredito que os meus alunos também lhe conseguiriam dar uma ou outra dica. Com eles recordei o episódio: quando na noite do incêndio na Sertã (se não me falha a memória…foram tantos) decidiu fazer uma conferência de imprensa/comunicado de última hora aos jornalistas sem novidades para dar (às 2 da manhã!). Eu percebo. Não é fácil.

Sabe Constança, nós portugueses não pedimos muito, só queremos que cuidem de nós e nem levantamos muitas ondas, nem nos manifestamos muito mesmo quando a austeridade e a má governação nos deixaram de bolsos vazios e com mais impostos a pagar. Porém, Constança, nós portugueses valorizamos a nossa família, os nossos amigos, o nosso quinhão de terra em sol plantado. Nós queremos estar em paz e ano após ano, somos bombardeados por incêndios, por crimes que lesam a pátria, destroem os nossos bens e que matam pessoas. Ouvimos falar na limpeza das matas, de dar melhores condições aos bombeiros e nada acontece. Constança, ainda se lembra que em 2014 “bombeiro” foi a palavra do ano. Porque será? Quer pensar comigo? Se calhar não é preciso um desenho, pois não? Fico surpreendido, abismado, estarrecido com a coerência que nos assalta do seu discurso. Ficam dúvidas, dúvidas. Sempre dúvidas.

Onde é que está o plano para resolver isto? Qual é a solução? O que se vai fazer? Desde Pedrógão, quais foram as medidas? Vamos voltar a culpar o SIRESP? Ou vamos deixar que seja o S. Pedro e a chuva a resolver o assunto?

Constança viu bem as imagens de ontem? Viu? Já informaram as pessoas do que haviam de fazer? Já? Já informaram se devíamos ou não publicar imagens nas redes sociais? Pois, pois não. Era só uma nota. Temos que ser “resilientes”- foi essa expressão que usou não foi?

Constança, diga-nos: QUEM É QUE SAI A GANHAR COM ISTO? Alguém tem que ser e não há-de ser apenas “um alguém isolado”.

Pois é, pois é, Constança, lendo o artigo da  Visão falou que não é tempo de reagir. Está enganada. É sim tempo de reagir e ferozmente, mas de forma fria, calculada e assertiva. O tempo da proatividade já lá vai..há muito. Agora deixe-me dizer-lhe, tenho imensa, mesmo imensa pena que não tenha ido de férias. É que me parece que precisa de longas férias. Sugiro um local fresco, porque o calor não diz muito consigo.

Por fim, gostaria de rematar dizendo que se a proteção e segurança do país está entregue a si, eu não me sinto seguro, protegido ou em paz. Não me leve a mal, a culpa não é só sua. Nunca é tarde para fazer o que tem que ser feito. Aproveite essa boa decisão e vá de férias. Os portugueses agradecem.

imagens: notíciasaominuto.com

Onze incidentes depois (uma reflexão sobre o uso dos drones…)

Viajar de avião é para mim sempre objeto de alguma ansiedade, seja pela descolagem, pela possível turbulência ou pelo inquieto processo de aterragem. Talvez seja a minha natureza a dizer-me que o homem não nasceu para voar, não sei. O que sei é que me deixa desconfortavelmente alerta. E se, durante esse processo de aterragem, eu olhasse pela janela e visse um drone, vertiginosamente perto de um dos motores do avião? Seria apenas o desconforto a invadir-me? Seria o pânico, a revolta? E se…

“E se…e se…” é o que penso sempre quando diariamente me confronto com a notícia: “Novo incidente com drone. Avião cruza-se com drone a 500 metros de altitude.” Felizmente, ainda não é uma notícia que abre os telejornais, ainda. Porque não passou disso mesmo, de um incidente e não de um acidente. Mas, como próprio português indica há uma ténue linha entre incidente e acidente.

Dizem os órgãos de comunicação social que são já onze ocorrências no nosso país, sendo que este mês já lá vão sete. A notícia, essa, é sempre a mesma, e segue mais ou menos estes pontos:

  1. Drone cruza-se com avião em trajetória descendente; 2. Piloto faz manobra de recurso; 3. Piloto queixa-se. 4. Companhia aérea reclama. 5. Autoridades e Governo dizem que vão investigar e que é preciso fazer algo. 6. Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) diz que houve uma violação do regulamento que proíbe drones de atingirem altitudes superiores a 120 metros (e finalmente avança com queixa-crime). 7. Associações e utilizadores de drones defendem fiscalização, sensibilização e registo de proprietários.

Nas redes sociais surge a indignação ou as teorias de que estas notícias são “plantadas” e que servem os interesses de alguns, quiçá aqueles que defendem a construção de um novo aeroporto em Lisboa.

“A melhor parte” é que conseguimos a proeza de comentar este fenómeno, como se estivéssemos a discutir um penálti ou um fora-de-jogo, em formato de debate futebolístico de segunda-feira:

– “Oh, o piloto vai lá conseguir ver um drone tão pequeno! Não vê um pássaro vai conseguir desviar-se dum drone!”

-”Claro que consegue, achas que iam brincar com isso. Já várias companhias se queixaram. Os pilotos falaram em ON. Aliás, eles queixam-se das aves em bando e tudo!”

– “Isto é mas é um perseguição à malta dos drones. Iam lá agora colocar pessoas em perigo de vida? Aliás, o software que eles usam impede o uso em algumas zonas. Os jornalistas é que não estão a fazer o trabalho deles. Estas notícias devem beneficiar alguém, só pode”.

– “Claro que iam. No Porto, não são drones, mas usam apontadores com laser. A Ryan Air já se queixou. É mais provinciano. Cambada de energúmenos”.

Conclusões? Factos? Investigação? Como dizia o outro “ninguém explica”.

Fico tremendamente contente por, ao décimo primeiro incidente, alguém se começar a questionar. Se investigássemos ao primeiro seria esquisito, seria alarmismo, ou até uma manobra política qualquer. Mas, fico ainda mais feliz, por me aperceber que a regulamentação é recente…só que já está desatualizada ou não está adaptada à realidade (o que na prática vale o mesmo).

Quanto às coimas, estas variam (segundo a SIC) entre 250 e 250 mil euros. Apenas, ninguém foi multado.

Confesso que deve ter o seu quê de hilariante aplicar uma coima de 250 mil euros, sem se saber efetivamente quem cometeu o delito e quem é o proprietário. Aparentemente, não há obrigatoriedade de registo, logo qualquer pessoa pode ter um. A “sorte” é que os terroristas “nunca na vida” vão comprar um drone. Hummm..e se for um adolescente a controlar a aeronave? Uma criança? Consigo também imaginar o diálogo:

“Oh filho, hoje quase mataste 200 pessoas, mas pronto, vai lá dormir. Amanhã não brincas com drone”.

 

Boeing-737-700-collided-with-a-drone-on-approach-to-Tete-Mozambique
Nariz de Boeing 737 da LAM após colisão com um drone, em Tete. (Fonte: mirror.co.uk)

Mas, há mais. Há algo que me incomoda ainda mais, que é a utilização próprio drone. Excetuando o seu uso em atividades de âmbito profissional (como filmagens com fins publicitários, ou de entretenimento, ou até de justificada vigilância por parte das autoridades), alguém consegue nomear algum tipo de atividade não-profissional do uso de um drone que possa ter uma finalidade minimamente positiva? É que eu não. E se me respondem, com simples atividade de recreação, eu acrescento que existem muitas formas de se entreterem que interferem menos com a vida dos outros. Assim de repente, apetece-me dizer para irem brincar com os berlindes (pronto, pronto, ou com os óculos de realidade virtual).

Como as notícias comprovam, um drone não é um brinquedo e a quantidade de crimes que se podem cometer no uso de um é grande e é vasta.

Eu compreendo que a tentação seja grande, mas é precisamente por esta ser muito grande que deviam existir restrições, pesadas restrições, fiscalização, registos.

Até esse dia chegar e sempre que for possível, vou continuar a preferir ter os pés no chão enquanto viajo. E, claro, manter a janela fechada e ter cortinas em casa (à boa moda portuguesa).

 

Featured Image:

https://media.licdn.com/

Foto 1: The Aviation Herald

 

Carta ao Cristiano

Caro Cristiano Ronaldo, confesso que é estranho poder estar dirigir-me, em forma de carta, a um aeroporto e a uma pessoa ao mesmo tempo. Desculpa-me, para mim é estranho (é a primeira vez que me acontece, talvez se entranhe, não sei..) E sim, Cristiano, é mesmo para ti, o ser humano, a pessoa, o futebolista, o ícone das massas, o melhor do mundo, o goleador, o campeão da Europa, o Comendador a quem me dirijo.
Ceremony-at-Madeira-Airport-to-rename-it-Cristiano-Ronaldo-Airport
Ainda não escrevo para aeroportos, nem tão pouco para bustos ou estátuas…ainda. E também não te vou chamar de CR7 ou CR(NÚMEROQUEQUISERES) que mais me parece a designação de um carro da Honda, ou de um qualquer outro construtor japonês. Cristiano, como futebolista, para mim és muito mais parecido com GT musculado do que com um CRX, CRV, um FR ou até um M3SSI. Quanto a isso estamos conversados, (graças a Deus, és português). Não resisto, porém, em confessar-te que seria giro o headline “CR7 buys CRV”. Se eu fosse a Honda, enfim, contratava-te. Não me leves a mal, já estou a divagar, mas sou teu fã. Que fique claro.

Escrevo-te porque admiro a tua coragem, persistência e essa tua propensão para dar o corpo às balas. Tu e só tu és tão ubíquo..mais do que tu, só o presidente Marcelo. Mas, chega de rodeios, vamos ao que interessa.

Tu, Cristiano, aceitaste que o teu nome fosse usado para aquilo que os portugueses fazem pior: dar nomes a aeroportos.

Para nós portugueses, os nomes dos aeroportos são como os filmes de terror: há sempre uma sequela. O Sá Carneiro não teve essa sorte: a de poder dizer que não. Se ele nos estiver a ler, aproveito para dizer que espero que tenha conseguido superar a urticária (ou a comichão como a tua caspa, lembras-te? Ou já não usas Linic? Se usasses estavas como eu, por isso não deves usar). Dar o nome a um aeroporto de uma pessoa que morreu num desastre aéreo seria de génio…só que não é, é só apenas mau e mórbido. No teu caso, perdeste a oportunidade de seres maior do que tu próprio. Ser imortal no gesto e na grandiosidade. (Quem é o teu assessor?!) Lamento dizer-te, com isto a tua ilha ficou mais pequena. Para o mundo, aquele pedaço de terra em mar plantado, é cada vez mais a Madeira do Ronaldo. E não o Ronaldo da Madeira. (Quem concorda, diga pois). É pena.

Sabes, eu adoro futebol, adoro ver os teus golos e a personalidade afirmativa e insaciável que tens em campo, e por isso te digo que para mim, para mim grandioso era ler que deste a oportunidade a outro que merece mais.

A notícia diria: “Cristiano Ronaldo escolhe o nome de João Gonçalves Zarco para o aeroporto do Funchal”. Estou certo que o Tristão e o Bartolomeu também não se importariam de partilhar essa honra. Era uma honra, era uma homenagem e era simbólico.Era um golo daqueles, uma visão de um passado que queremos vivo do qual serias porta-voz .

Mas, não. Eu compreendo, “é marketing” (detesto esta expressão, porque só diz isto quem não sabe o que é marketing). Não, não é marketing. É outra coisa. É falhar um golo à boca da baliza. É ver a oportunidade passar ao lado. Lá no fundo, sempre me pareceu que querias recusar ou fugir a veres o teu nome dado a um aeroporto. Eu sei que é difícil para um português dizer que não e que de “nim, em nim” vamos empatando. Cristiano o que te caracteriza é não seres de empates e também já não precisas fazer fretes. (Eu só gostava de saber é de quem foi a ideia),

Como isto não era suficiente, constatamos que Madeira não é um bom sítio para bustos e estátuas.

Cristiano, digo-o a gritar, sim (!), com exaltação “O QUE É AQUILO, PÁ?”.

Dou-te a liberdade para acrescentares o vernáculo que quiseres ao meu texto, porque todas as palavras más que conheço se aplicam àquele busto, que é somente agora o busto mais conhecido do mundo, pelos piores motivos, sem qualquer valor artístico. Se o nome do aeroporto Sá Carneiro é o Freddy Krueger, o pesadelo em Elm Street, dos nomes, a tua estátua e o teu busto, são seguramente o Jason e o Sexta-feira 13. Quando pensamos que o pesadelo terminou e que é impossível ir mais fundo, descobrimos que afinal não. Se o Jason, o vilão da máscara de hóquei, é de uma “longevidade impressionante” (como li algures), o que dizer das tuas estátuas! (Ninguém deita aquilo abaixo?) Nem um Edvard Munch teria coragem de fazer o seu “grito” tão assustador como aquele busto. Cristiano, e que tal dizer que não? Eu pagava, eu PAGAVA para aquilo não existir.

cristiano-ronaldo-portugal-airport-statue.jpg

Quem é que escolhe aqueles escultores? Diz-me! Como diria a minha mãe “Deus venha cá em baixo ver isto”.

No início, confesso, tem piada, mas depois é só bacoco e trabalho de índole duvidosa. Pior, a malta vai querer tirar selfies àquilo. Não te chegou a estátua? Em que nem sequer pareces ser tu? E porque raio (sim, isto enerva-me) na estátua estás com os ombros para a frente a olhar para baixo (em pose de derrota), e braços em baixo, quando na verdade festejas o golo com uma linguagem corporal aberta de vencedor? Vês onde isto chegou? Para falar de comunicação, uso a tua estátua como mau exemplo! Não devia ser o oposto?

Cristiano-Ronaldo-Statue-002-800x963

Cristiano quem é que  te aconselha? Podes dizer-me?

Por fim, queria terminar dizendo-te que até aceito o teu argumento de que preferes que as homenagens sejam feitas em vida. Mas, sabias que o Arnold Schwarzenegger já teve (reforço o teve) um estádio com o seu nome? Não te parece assim demasiado cedo? Pior que não ter nome, é deixar de ter. Já pensaste nisso? Ainda tens tanto para viver, tanto para vencer, tanto para errar… Não te faz confusão esta pressa? A mim faz. E não é por ti.  Simplesmente parece assim…vazio de sentido, tal como o museu, que tem nome de museu, mas que é uma sala de troféus. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa, independentemente do nome que lhe dermos.

Assim, porque a conversa já vai longa, me despeço, sem me esquecer de que sempre celebraste em português, ao contrário de outros. Isso sim, ninguém te pode tirar, isso sim, tal como a tua determinação, é de valor. Não és só madeirense, és português, com ou sem aeroportos, com ou sem golos. E tens orgulho nisso. Isso sim basta-me.

 

imagem 1: http://i2.mirror.co.uk/incoming/article10121353.ece/ALTERNATES/s615b/Ceremony-at-Madeira-Airport-to-rename-it-Cristiano-Ronaldo-Airport.jpg

imagem 2 https://timedotcom.files.wordpress.com/2017/03/cristiano-ronaldo-portugal-airport-statue.jpg?w=1100&quality=85

imagem 3 http://www.thefashionisto.com/wp-content/uploads/2014/12/Cristiano-Ronaldo-Statue-002-800×963.jpg

imagem 4 http://images.performgroup.com/di/library/GOAL/46/2f/cristiano-ronaldo-statue-madeira-airport_j5t8v9e1dqz91f4q9axo3hnov.jpg?t=435291587

Sorte ou azar?

Bastou um segundo um ligeiro toque no canto traseiro-esquerdo do meu carro. Primeiro, a incapacidade de perceber o que estava a acontecer tal a chuva e o mau tempo…o toque foi agora mais intenso, a traseira vira e eis que começo a deslizar, na plena consciência da falta de controlo. O aceitar da incerteza do que vem a seguir, “estou entregue à sorte”. Nesse momento consigo ter a visão do interior do carro e também uma visão aérea do que está acontecer (será que saímos fora do corpo ou é tudo apenas fruto da ilusão?). Tudo devagar, em câmara lenta. Parecia um bailado, uma serenata à chuva no amplo espaço de quatro (faixas de rodagem) sem ninguém à vista. Mas, só foi preciso um segundo, um segundo para perceber o “dedo” que me lançou nessa dança.

Olho pelo vidro do meu lado esquerdo e só vejo vermelho (e era de noite)…não era um pássaro, nem um avião, nem o super-homem, era mesmo um camião. 3, 2,1…

A visão assustadora de um camião a vir em direção à minha porta foi aliviada pelas leis da física, que dirão que dois corpos sólidos ou forças terão uma velocidade de colisão inferior, quando se projetam na mesma direção. Parece tudo tão simples e leve, quando enunciado teoricamente. O ser arrastado durante uns bons 20 ou 30 metros…essa parte já não é assim tão agradável.Talvez se assemelhe ao desconforto das curvas e contra-curvas do comboio-fantasma.Sim, porque ainda faltava ver e isso também a assusta. A visão era a da estranha coincidência de ter o carro do lado do condutor todo amassado e não ter sequer um vidro partido, e eu nem um arranhão. Nada.

O que me fez escrever isto e partilhar é o contraste e o conflito de emoções que estas situações geram. A primeira versão é a do azar. Estar no sítio errado, à hora errada e ter o azar de ter um camião a querer mudar de faixa que não mediu bem a distância para o seu lado direito. Ou pensar em tudo o que podia ter feito diferente nesse dia e não fiz. Pouco produtivo esse exercício. Além disso, vamos ser sinceros, todos nós aqui e ali passamos por isso e eu não sinto que tenha grande direito de me queixar.

Com o passar das horas, e depois de ver a cena repetidamente e repetidamente na minha mente, para tentar perceber todo o sucedido, abate-se a emoção da sorte, do divino, do milagre, da conjugação dos fatores que nos fazem sair “ilesos” de situações que podia ter sido muito piores. Não estou a dramatizar, apenas a dizer que a emoção tem um peso e esse peso desce pelo corpo à medida que as horas passam e que é importante saber canalizar isso.

Mais do que azar, prefiro ver a sorte e a importância de encaixar a experiência, de não dormir sobre ela e simplesmente esquecer. A vida tem mais sentido se atribuirmos significado que vivemos. E por isso, hoje apetece-me dizer que apesar do azar, tive imensa sorte.