O Portugal da Fórmula 1 e os outros…

Photo by Markus Spiske on Pexels.com

Domingo. A hora muda. A pandemia continua e a clara noção de que o país não muda. Estamos enganados quando dizemos que Portugal é um país pequeno. Não é. Portugal tem esse dom de se multiplicar em vários países, democracias, estados de exceção e regras diferentes entre regiões, para diversas vontades, interesses, culturas e desportos. É como se o sinal vermelho do semáforo, para outro fosse verde, para outros amarelo e para outros nem sequer existisse. Já dizia a expressão “a Maria vai com as outras…

Estou, claro, a falar da nova polémica da Fórmula 1 e da permissão de estarem no recinto mais de 27 mil pessoas. Assim, sim assim à primeira vista consigo imaginar as pessoas dispersas por um longo percurso, ao ar livre.

Reparem, estamos a falar de pessoas dispostas a comprar um bilhete que varia entre os 85 e os 650 euros e isso atesta a sua educação, os seus princípios e cumprir da autoridade (ler com ironia se faz favor) . Na prática, só se fôssemos robots é que seria fácil de controlar a turba.

O juízo de valor é meu, mas não é isto que fazemos quando traçamos perfis? Como se quem compra um Ferrari ou uma Limousine não infrige regras do trânsito? Pois é. Em Fátima, depois do polémico setembro, o peregrino que vai pé, em alguns casos ficou à porta.

Facilmente anuímos que nos estádios de futebol ter muita gente é um problema. Os adeptos (não vou usar outra palavra) não se sabem controlar, porque o futebol é um desporto de emoções, de gritos, de contacto e de animosidades à entrada e à saída. Concordo.

Garanto-vos que se fosse ao futebol, estaria muito bem sentado à distância e a festejar para mim, mas sei que cada pessoa é uma pessoa.

Aquilo com o qual não posso concordar, da mesma forma como não concordo com a realização da Festa do Avante (mesmo que assumidamente tenha corrido bem), é com o facto de acharmos que aceitar realizar um evento da dimensão da Fórmula 1, da Liga dos Campeões, do jogo da Seleção, não é enviar uma mensagem a todos os portugueses. Claro que é.

Realizar eventos é comunicar. É afirmar algo, especialmente, eventos públicos e altamente mediatizados. É enviar sinais aos mercados, à opinião pública, às pessoas. Na próxima semana, os portugueses não podem sair do concelho e devem evitar a habitual visita ao cemitério, como se fosse muito diferente ficar na fila para entrar num autódromo, onde me vou sentar por algumas horas.

Eu preferia que me dissessem que a Fórmula 1, no Algarve, se insere num programa qualquer de investimento na região, de uma iniciativa estratégica de captar fundos, ou outra coisa qualquer.

Mas, se se vai realizar o evento, a organização só ao terceiro dia é que percebeu que algumas pessoas não cumprem as regras, não usam máscaras e não ficam no seu lugar? Não esperavam que se tirassem fotografias? Que se criticasse? Ou simplesmente, esfregam as mãos e pensam: “o dinheiro já cá canta, o resto resolve-se…isto não é o Avante, para precisarmos de tanto cuidado. Mais infetado menos infetado, não fará muita diferença”

Pensem comigo: quantas vezes encontraram alguém sentado no vosso lugar no comboio? No vosso lugar no cinema, no vosso lugar no estádio? E na F1 vai ser diferente? Não vai. Da mesma maneira que há pessoas que se revoltam, quando manifestamos o desagrado por continuarem a fumar em estádios. Na F1 vai ser diferente? Não. E hoje já se expulsaram pessoas. Hoje. Não ontem. Pessoalmente, acho que devia haver multas pesadas para quem não cumpre.

É por isso que encontro vários países num só, uma mescla de comportamentos que uns têm de ter e outros não. Eu nem sempre concordo com Rui Moreira, ele terá a sua opinião e a sua agenda, mas é fundamental que alguém, que se insurja, porque de facto às parece que temos o Portugal do Algarve, o Portugal do Web Summit, o Portugal do Futebol, o Portugal da Saúde e, claro, o Portugal do Novo Banco.

Relembro, por exemplo, que o Bruno Nogueira teve que adiar o seu espetáculo são joanino, no Porto, por despacho camarário (o que eu discordo), tal como houve polémica no Porto-Boavista em data similar. Sabem que no Norte nós…

Escrevo este texto, por dois motivos:

Um para dizer que a uma comunicação assertiva, eficaz, que envolva as pessoas num desígnio, deveria ser contínua, coerente e congruente. E a deste governo não é. Soa, parece e manifesta-se como um conjunto de estratagemas, para levar para frente uma agenda de alguém, que ninguém sabe quem é.  

Dois, porque tal como a situação das máscaras que davam uma falsa ilusão de segurança em abril e que agora são o nosso remédio santo. Sinto, que isto é fazer de nós parvos. Não encontro outra palavra.

Ou então, tragam-me a cultura, o futebol, o concertos, os festivais, os restaurantes, o álcool nos supermercados depois das 20h00, os bares até às duas que eu prometo que me saberei comportar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d bloggers like this: