0 comments on “Carta à Ministra da Administração Interna”

Carta à Ministra da Administração Interna

Cara Constança Urbano de Sousa,

Escrevo-lhe com a máxima reverência, mas também com a máxima revolta de quem desespera com tudo o que vê acontecer ao seu redor. Escrevo-lhe na verdade porque tenho uma certa pena de si. Ter-lhe-ão oferecido um presente envenenado, um cargo que parece bom, mas que exige muito.  Exige liderança, exige força e exige carisma de quem diariamente tem que lidar com forças de autoridade, de segurança pública e proteção civil.

Sim, Constança foi a si que o Primeiro Ministro António Costa (ele que também esteve com essa pasta) entregou a proteção de Portugal. É duro escrever, deve ser duro ler. Mas, é a verdade, foi a si. E quanto a isso não há desculpas.

visao_marcos_borga.jpg
A postura e a linguagem corporal diminuída de Constança Urbano de Sousa (fotografia- Marcos Borga / Visão)

Além de tudo isto, para este cargo é preciso saber comunicar muito e bem, coisa para a qual a Constança não tem a mínima habilidade, nem os seus assessores a terão conseguido ensinar. Estarei disponível se precisar. Acredito que os meus alunos também lhe conseguiriam dar uma ou outra dica. Com eles recordei o episódio: quando na noite do incêndio na Sertã (se não me falha a memória…foram tantos) decidiu fazer uma conferência de imprensa/comunicado de última hora aos jornalistas sem novidades para dar (às 2 da manhã!). Eu percebo. Não é fácil.

Sabe Constança, nós portugueses não pedimos muito, só queremos que cuidem de nós e nem levantamos muitas ondas, nem nos manifestamos muito mesmo quando a austeridade e a má governação nos deixaram de bolsos vazios e com mais impostos a pagar. Porém, Constança, nós portugueses valorizamos a nossa família, os nossos amigos, o nosso quinhão de terra em sol plantado. Nós queremos estar em paz e ano após ano, somos bombardeados por incêndios, por crimes que lesam a pátria, destroem os nossos bens e que matam pessoas. Ouvimos falar na limpeza das matas, de dar melhores condições aos bombeiros e nada acontece. Constança, ainda se lembra que em 2014 “bombeiro” foi a palavra do ano. Porque será? Quer pensar comigo? Se calhar não é preciso um desenho, pois não? Fico surpreendido, abismado, estarrecido com a coerência que nos assalta do seu discurso. Ficam dúvidas, dúvidas. Sempre dúvidas.

Onde é que está o plano para resolver isto? Qual é a solução? O que se vai fazer? Desde Pedrógão, quais foram as medidas? Vamos voltar a culpar o SIRESP? Ou vamos deixar que seja o S. Pedro e a chuva a resolver o assunto?

Constança viu bem as imagens de ontem? Viu? Já informaram as pessoas do que haviam de fazer? Já? Já informaram se devíamos ou não publicar imagens nas redes sociais? Pois, pois não. Era só uma nota. Temos que ser “resilientes”- foi essa expressão que usou não foi?

Constança, diga-nos: QUEM É QUE SAI A GANHAR COM ISTO? Alguém tem que ser e não há-de ser apenas “um alguém isolado”.

Pois é, pois é, Constança, lendo o artigo da  Visão falou que não é tempo de reagir. Está enganada. É sim tempo de reagir e ferozmente, mas de forma fria, calculada e assertiva. O tempo da proatividade já lá vai..há muito. Agora deixe-me dizer-lhe, tenho imensa, mesmo imensa pena que não tenha ido de férias. É que me parece que precisa de longas férias. Sugiro um local fresco, porque o calor não diz muito consigo.

Por fim, gostaria de rematar dizendo que se a proteção e segurança do país está entregue a si, eu não me sinto seguro, protegido ou em paz. Não me leve a mal, a culpa não é só sua. Nunca é tarde para fazer o que tem que ser feito. Aproveite essa boa decisão e vá de férias. Os portugueses agradecem.

imagens: notíciasaominuto.com

0 comments on “Do Zeinal já ninguém se lembra…”

Do Zeinal já ninguém se lembra…

Podemos parar? Desculpem podemos parar para pensar? Um dia que seja? Apenas um dia? Só um? Andamos nisto há meses, com a constante promessa de continuar. Andamos nisto há praticamente um ano (ou mais)…e continuamos a alimentar o monstro. Sim, isso mesmo. Nós. Quanto mais atenção lhe damos, mais o legitimamos e mais força damos àqueles que o apoiam. “Falem bem ou mal, mas falem de mim…” Podemos ser, pelo menos um dia, mais portugueses e menos americanos? Ou pelo menos mais do mundo?

Ele não é da minha família, mas vejo-o mais vezes que qualquer um dos meus irmãos.

Eu não jogo futebol com ele, mas sei o que ele diz no balneário sobre as mulheres. Eu não sei quais os meus amigos que abrem a porta do carro à namorada ou namorado, nem sequer se lhes puxam a cadeira para sentarem ou se lhe abrem a porta. Mas, dele eu sei. (Também não era preciso muito para saber, mas na verdade nem me interessa. Não quero saber.) Eu não faço ideia quantas pessoas estiveram no concerto da minha banda preferida, nem na cerimónia do Marcelo, nem tão pouco quantos goeses receberam em êxtase o António Costa. Mas, na cerimónia de tomada de posso dele, eu sei.Será que preciso de saber? Não, porque há coisas que não precisam serem ditas ou mostradas, para terem relevância ou se saberem.

Eu não sei quem são os concorrentes da Casa dos Segredos, tal como não quero saber quais os segredos que ele guarda no seu dourado armário.

Eu não sei quem são a maioria dos assessores dos políticos portugueses, mas os dele eu sei e até sei que um dos assessores se enganou nos números..e na verdade, também sei que vi o Zeinal dizer que não se lembra. Infelizmente, sei que quase já ninguém se lembra.

Eu não sei quem votou nele, eu não sei quem votou no Brexit, eu não sei quem é que dá suporte ao Erdogan, nem tão pouco quem defende Putin. (Por falar nisso, nem sequer faço ideia se o Vladimir Putin é casado ou se tem filhos. Sei que praticou judo e pouco mais – e nem sequer me sinto tentado em ir ver ao google). Mas, sei que o meu mundo, não pode ter sido. O meu mundo, nunca faria aquilo.

Mas, se calhar também o meu mundo não faria uma marcha de mulheres, porque o meu mundo não tem género – Somos Humanos e marchávamos todos juntos.

E se existe a necessidade das mulheres fazerem uma marcha, é porque o mundo dele prevalece sobre o meu mundo. Desse modo, é também o mundo dele que faz com que eu saiba muitas outras coisas sem importância e que faz com que eu esqueça muitas outras importantes. É o mundo dele que se expõe na sombra. Não o vemos, mas está lá.

Eu sei, sem dúvida, que o mais perigoso inimigo é aquele que não se vê. Hoje esse inimigo tem uma face mais visível, mas mais perigosos são os líderes que na sombra e na frieza gerem e controlam a impulsividade e que esperam, esperam… Desses as páginas do Facebook e do Twitter pouco falam e são apenas lembrados e investigados, acima de tudo, por aqueles que são obstinados a procurar a verdade.

 

E por isso, hoje não digo o nome dele e não o vou escrever. Não porque o esqueci, mas porque sei que dar-lhe valor é alimentar os fait-divers. Assim, eu reforço, podemos parar? Podemos ser mais portugueses? Podemos deixar a César o que é de César e o nosso ao que é realmente nosso?

imagem: http://www.freeimages.com/photo/stop-button-1471632

0 comments on “Ser inglês? Ser europeu? Ser humano.”

Ser inglês? Ser europeu? Ser humano.

Num momento em que a Europa discute o Brexit – ou a insustentável saída do Reino Unido da União Europeia – e as suas implicações sociais e económicas, manifestamos o nosso desagrado, a nossa incompreensão com a impensável decisão, com as limitações colocadas às gerações futuras, com o virar as costas aos povos irmãos, com aquele que será o princípio do fim de uma Europa que não é, mas que viria a ser.

brexit

Gritamos silenciosamente “foram ideais xenófobos, promessas vãs e mentirosas que estiveram na base da decisão de voto de milhões de pessoas” de uma nação que no nosso ideal colocamos entre as mais desenvolvidas do planeta. Questionamos “como é possível?”, mas será que o feed de notícias e posts é verdadeiramente ilustrativo do que se passa um pouco por toda a Europa e no mundo? Não. Repito, não.

Há um mundo para lá da internet e, infelizmente, também há um mundo em que somos mais Charlie e Paris e menos Orlando ou Istambul.

turkey-airport-attack-istanbul.jpg
Recentes atentados no aeroporto Ataturk, em Istambul.

A silenciosa voz que urde, que ganha força, que se manifesta e que não vai necessariamente para as redes sociais dizer o que pensa. Ela cresce na mente dos fragilizados, esquecidos, revoltados, injustiçados, ela alimenta-se da frustração, da degradação da vida, da perda de valor, da perda de influência, da insatisfação dos sonhos que não se concretizaram e, claro, também do fanatismo, seja ele religioso ou de outra espécie.

Essa voz quer culpados. Para alguns a culpa será da Europa, para outros será o Schauble, a Merkl e o FMI, para outros a corrupção instalada nas estruturas político-financeiras, e para mais alguns a culpa é de certeza dos imigrantes, do produto estrangeiro a preço mais baixo, da internet e das novas gerações.

Na incapacidade de compreender o admirável mundo novo, as esquecidas e maltratadas gerações que não se adaptaram, que se viram ultrapassadas, que mergulharam no desemprego ou na crescente desvalorização profissional, gritam nestes referendos “antes nós que os outros”.

O Brexit, como ato simbólico de uma forma de ver o mundo, já estava aí. David Cameron “esqueceu-se” que a democracia também pode dar voz à xenofobia, ao extremismo e ao racismo. Uma irresponsabilidade dele e dos que com ele decidiram, mas também de sociedade que se recusa a ver o que está para vir e de uma Europa, onde aquilo que se mais se discute é o Euro, o Tratado Orçamental, o défice, os juros e o cumprir das metas financeiras. (Admito, claro, que outras coisas importantes se discutam, mas isso não chega até nós cidadãos).

Incomoda-me o Brexit, não apenas por ser europeu, nem tão pouco como ser português. Incomoda-me o Brexit porque antes disso tudo sou humano.

E por ser humano: sou português, sou americano, sou europeu, sou  asiático, sou africano, sou do mundo. Enquanto insistirmos em esquecer isto, a voz de que falei continuará a ganhar ímpeto e apoiantes, mundo ficará mais dividido, as teorias macroeconómicas vão continuar a esquecer a “microeconomia do indivíduo” e as estruturas políticas continuarão a governar números, em vez de pessoas.

Espero que ao lerem este texto vocês (em caso de esquecimento) também se lembram que o são.

P.S. -Hoje serei apenas um bocadinho menos polaco, porque as raízes também são importantes.

 

imagem1: http://www.newstatesman.com/sites/default/files/styles/nodeimage/public/blogs_2016/04/brexit.jpg?itok=eXeHpKyF

imagem2: https://timedotcom.files.wordpress.com/2016/06/turkey-airport-attack-istanbul.jpg?quality=75&strip=color&w=1024

0 comments on “Frases da semana: As “botefadas” do Soares e o “fundo” azul e branco”

Frases da semana: As “botefadas” do Soares e o “fundo” azul e branco

O caso das “bofetadas” do já confirmado ex-Ministro da Cultura João Soares e o “batemos no fundo” de Jorge Nuno Pinto da Costa, em entrevista ao Porto Canal marcam, em definitivo, o final desta semana. Duas frases que merecem a minha atenção por motivos diferentes.

A situação mais surreal, é sem dúvida, a de João Soares que às 06h12 da manhã decide que Augusto M. Seabra e Vasco Pulido Valente merecem umas “bofetadas” logo a começar o dia. Quer dizer, não é a começar o dia, é quando se c(r)uzarem com ele (e não vou sequer abordar as gralhas e a questão da acentuação). Não sei se João Soares, agora que já não é ministro, vai adotar essa estratégia “obelixiana” de ir de tabefe em tabefe e despachar os mais ácidos cronistas portugueses (achava eu que a PAF tinha acabado).  Ou se por outro lado, vai decidir ameaçar todos os portugueses que ficaram felizes com a sua demissão, se for o caso, então o número deve ascender aos milhões.

Screen Shot 2016-04-08 at 14.40.40
João Soares acordou bem cedo para o Facebook e escreve um post a merecer revisão ortográfica.

Quero frisar que não questiono a sua liberdade de expressão (nem ele deveria questionar a dos cronistas), porém dado o seu cargo político e sua longa experiência nestas lidas, teria sido aconselhável outro tento na língua, para, usando o seu próprio termo, não “bolçar” estes comentários para uma página de Facebook, ou como diria Habermas, para a esfera pública. Já era tempo dos políticos saberem que as redes sociais são para ser usadas com critério: no tom, no rigor, na clareza, na educação e, na gramática, é claro.

“O hábito não faz o monge”, nem o ministério faz o ministro.

Além do mais, às 06h00 da manhã, dificilmente poderíamos considerar João Soares vítima de um repasto ou jantar mais regado. (No meu íntimo pergunto: quem é que genuinamente se lembra de publicar coisas daquelas às 06h12?).

Até para um assessor de comunicação não deve ser fácil acordar tão cedo para evitar tal insanidade. Porém, se eles existem, é também para isto: evitar que a comunicação política e pública se torne leviana, impulsiva, egocêntrica e insana.

O pedido desculpas chegou tarde e a demissão foi “naturalmente” aceite. Soares fez um haraquíri sem honra. O país agradece, creio que António Costa também. 

Passando ao universo azul e branco, Pinto da Costa brindou o universo portista com uma entrevista recheada e embrulhada na palavra caráter. Palavra essa repetida vezes sem conta. De sublinhar a postura incisiva e determinada do presidente dos Dragões – como há muito não se via. A entrevista surge num momento importante, em que a voz de Pinto da Costa era mais do que necessária para amenizar a crise.

Apesar de olhar para a entrevista como uma boa resposta para o cenário de crise que se vive nas Antas, a meu ver há dois aspetos em que a comunicação poderia ter sido mais assertiva: 1) O uso do termo (sound bite) “bater no fundo”. É forte, mas vai fazer (ou melhor fez) manchetes e tirou impacto à palavra “caráter” tão usada ao longo da entrevista. Só o jornal O Jogo optou pela via do caráter. Além disso, o “fundo” é um termo relativo.  Às vezes é possível ainda ir mais fundo do que se imaginava. Não gosto do termo, não gosto da expressão. Gosto do assumir dos erros, da frontalidade, mas não aconselho o uso de uma palavra que vai pulular o universo azul e branco durante semanas e semanas. Há formas igualmente incisivas e eficazes de dizer isso. Não é porque perdeu com o Tondela que o FC Porto bateu no fundo. Já vi derrotas mais embaraçosas. Se está no fundo, já o estaria bem antes desta derrota. Reforço, não usaria essa palavra, mesmo que ela seja dita e repetida vezes sem conta nas redes sociais.

Em tom de conclusão, uma ótima entrevista pode ficar a dever a si própria o uso de uma frase má. “Se o hábito não faz o monge”, uma frase pode muito bem fazer uma entrevista.

 

imagem: ohomeminvisivel.com

 

 

2 comments on “Trump para principiantes”

Trump para principiantes

A cada vitória de Donald Trump nas eleições primárias americanas, vejo nas redes sociais um coro de partilhas, posts e comentários de incredulidade e até de alguma revolta. “Como é possível?”, perguntam alguns, entre comentários mais jocosos a um candidato que é autor de algumas das frases mais infelizes que ouvi em três décadas e meia de existência. Não as vou proferir, elas andam por aí e é demasiado fácil encontrá-las. Agora ficar surpreendido com o facto de o multimilionário americano estar à frente nas eleições primárias (do lado republicano), isso não estou, não fico e é fácil explicar porquê.

Talvez a única coisa que me surpreenda em Trump é a sua capacidade para ir mais longe do que aquilo que alguma pensei ser possível nos tempos de hoje

O primeiro ponto (1) que é importante focar é simples: os americanos têm uma cultura muito própria e, no geral, não pensam e não sentem as coisas como nós portugueses e até europeus. Depois, está também na altura de abandonarmos o preconceito de que o advento das redes sociais, que a sociedade da informação, que a sociedade “ocidental”, e que todo o conhecimento à nossa disposição nos torna naturalmente mais evoluídos, mais compreensivos, mais conhecedores, mais inteligentes e mais cultos. No mundo perfeito isso seria verdade, num mundo em que cada dia tivesse no mínimo 72 horas para conseguirmos absorver tudo aquilo que acontece à nossa volta. Como isso não é verdade, estamos cada vez mais sensíveis ao sound byte, aos títulos ou headlines, aos primeiros 30 segundos de um vídeo que tem no mínimo três e que não vamos visualizar até ao fim, e claro, à “verdade” dos opinion makers (ou líderes de opinião) que facilmente nos dizem o que devemos pensar sobre determinado assunto (2). Estes tenderão a ser selecionados por nós de acordo com a cor política, o saber falar, o life style ou o estilo de vida que representam, ou outro motivo qualquer mais ou menos óbvio, como a cor clubística.

O somatório destes dois primeiros pontos faz com que estejamos demasiados sensíveis e expostos a canais de comunicação e a uma partilha de informação, baseada em instantes em impulsos comunicacionais básicos, que levam a uma rápida e explosiva interpretação e, por sua vez, a uma simplificada criação de sentido e significado. Se a este ponto adicionarmos o ingrediente que é uma audiência ávida por um certo tipo de mensagens, estão criadas as condições para que as declarações de Trump proliferem. Lá porque nas redes sociais não vemos ninguém a idolatrar Trump (pelo menos com a mesma frequência com que este é gozado ou odiado), não quer dizer que este não tenha imensos e silenciosos apoiantes. Marcelo Rebelo de Sousa não era propriamente acarinhado nas redes sociais e ganhou facilmente as eleições em Portugal. Voltando a Trump, as suas mensagens são simples, claras, objetivas. Goste-se ou não, são fortes. É fácil de perceber, é incisivo e tem audiência.

Trump

O próximo ponto que vou referir é sobre a marca Trump, isto é, a sua persona, o que esta representa para o seu eleitorado. A este nível o que podemos dizer é que há coerência, Trump representa um arquétipo fácil de identificar – uma espécie de self-made man que se tornou milionário e que pensa apenas e só pela sua cabeça. A narrativa é simples.

Contra tudo e contra todos se tiver que ser, Trump apresenta-se como um individualista com toques de narcisismo que só pensa em vencer, que só pensa numa América vencedora que subjuga os seus inimigos. Ganhar, ganhar, ganhar, seja através do medo, da divisão, das armas ou da guerra. Tanto faz. Mas, ganhar.

Um discurso que o americano de orgulho ferido que sente que a América não é a super potência de há duas décadas aparentemente quer ouvir.O americano que quer ter uma arma em casa para se defender, porque faz parte do seu direito. Um americano desempregado que não quer fluxo migratório para o seu país. A narrativa está aí, é horrível, mas existe e é consistente, pelo menos para um nicho suficientemente grande e capaz de colocar Trump a disputar a presidência americana.

Esta narrativa funciona para a personagem de Trump que encarna o seu personagem, o seu arquétipo como ninguém, tornando fácil perceber a sua marca, tornando muito fácil à sua audiência identificar-se com ele. As constantes partilhas dos seus sound bytes ajudam… e de que maneira.

Por último, e em dia de Super Terça-feira (para quem saber o que é:  http://www.publico.pt/mundo/noticia/o-que-e-a-super-tercafeira-1724788), em poucos dias vamos saber se veremos Trump na corrida à presidência americana, mas está na altura de deixarmos de olhar para ele como um ser inocente ou incoerente. Ele sabe o que quer e como quer. Não acredito que tenha chegado onde chegou baseado apenas no ódio e ideais xenófobos (pelo que li tem importantes negócios no Médio Oriente) e também não acredito que ele acredite em tudo o que diz e que caso seja eleito faço tudo o que disse. Acredito sim que se Trump tiver que mentir mente e que a sua comunicação vai continuar a ser dura, voraz, explosiva e polémica – está na génese do sucesso que tem tido. Porém, espero sinceramente que os americanos optem por outra via.

imagem: http://images.performgroup.com/di/library/sporting_news/16/4/trump-donald-080715-getty-ftr_3xisndsnzkbt10wclogb0x9pf.jpg?t=142475031

12 comments on “Obrigado Ryan Air. Obrigado Rui Moreira.”

Obrigado Ryan Air. Obrigado Rui Moreira.

Porto. Obrigado Ryan Air pela revolução no mercado das transportadoras aéreas que permitiu às pessoas, um pouco por toda a Europa, a viajarem de forma mais económica para um leque muito mais alargado de cidades. (Parecia impossível, não parecia?) Mais viagens, mais cultura, mais conhecimento, mais relacionamentos, melhor economia e um Porto finalmente no mapa mundial dos destinos turísticos obrigatórios (Quem diria?).

Obrigado Rui Moreira por compreender a cidade, por compreender o Porto, por compreender a nossa região, por compreender o que é a cultura, por uma postura apartidária, por uma voz contra interesses instalados e por saber que nem só de Lisboa vive o país. Rui Moreira gosta genuinamente do Porto e a cidade, através dos seus habitantes, reconhece-lhe a voz, reconhece-lhe os motivos, identifica-se e agradece. Uma comunicação clara, com alma, incisiva. Sabe o que quer e eu gosto disso. E, assim, imagem a imagem, peça a peça, bloco a bloco se “constrói” uma reputação.

ruimoreira.jpg
Rui contesta decisões da TAP

A visão estratégica (quando existe) pode e deve ser apoiada por uma oferta de mercado clara, por uma comunicação autêntica, objetiva e que seja facilmente percebida pelo seu público-alvo.

Qual a relação entre a Ryan Air e Rui Moreira? Para mim são um símbolo de que é possível fazer as coisas de forma diferente (para melhor), representam inovação e representam uma oportunidade de valorizarmos aquilo que é nosso. Significam o agitar dos mercados, dos contextos, dos cenários. São a prova de que o mundo das marcas, o mundo da política, o mundo das organizações estão interligado e muitas vezes padecem dos mesmos problemas.

Quando há visão, quando há coragem e quando não estamos acomodados, estão criadas as condições para o verdadeiro empreendedorismo, seja ele económico, social ou até político.

Foi preciso a Ryan Air chegar ao Porto, para que passasse a ser possível a qualquer pessoa do Norte do país chegar a Faro sem passar por Lisboa, Madrid ou Londres. Foi preciso a Ryan Air chegar a Portugal e inaugurar as viagens low-cost Porto-Lisboa, para a CP perceber que afinal era importante atribuir descontos às viagens de Alfa Pendular entre Lisboa e Porto. Quando há uma empresa ou duas a dominarem completamente os mercados, a tendência é para os mercados serem mais estáticos e mais resistentes à inovação. Vem nos livros. Porquê? Porque nesse caso, a mudança não é um objetivo de quem domina (a estabilidade é muito mais interessante…e o lucro). Basta pensarmos no que acontece no mercado da energia ou das telecomunicações.

Agora, perante o sucesso das viagens Ryan Air entre Lisboa e Porto, e face à contestação de Rui Moreira, a TAP avança com a possibilidade de um shuttle Porto-Lisboa de hora a hora. É bom, é (Rui Moreira diz que é bom para a White, a empresa de um dos mais recentes acionistas, que tem aviões parados no Brasil). O preço, bem… esse está longe de ser ótimo. O que questiono é: quantos anos? Quantas décadas foram precisas para perceber o óbvio? Ou será que vamos andar a discutir o TGV outra vez?

Convém também salientar que Rui Rio, ao seu estilo, teve um trabalho meritório à frente dos destinos da cidade e terá deixado o terreno bem preparado para o projeto que agora se segue. No entanto, acredito que Rui Moreira percebe melhor a cidade, percebe melhor a sua identidade e que acredita num dos maiores bens que temos no Porto: as pessoas e a sua cultura. Além disso, comunica melhor.

Obrigado Ryan Air e obrigado Rui Moreira por acreditarem num Porto afirmativo e por perceberem que as cidades, como marcas (e as suas pessoas), são um capital que deve verdadeiramente ser valorizados, defendidos e potenciados.

 

imagem:

ryanair-snow-shower-take-off.jpg

naom_535f44782f46e.jpg